Lembre 11 nomes da musica que nos deixaram este ano

Amy Winehouse, morta em 23 de julho de 2011, é uma das estrelas que partiram pra outra

GABRIEL VITURI

 

É inevitável. Todos os anos, ídolos, lendas e reis do mundo pop partem dessa para outra. Em nossa singela homenagem, selecionamos 11 nomes que morreram em 2011. É claro, sabemos que muitos ficaram de fora dessa lista. Sem mais delongas, aqui vai a nossa lembrança, uma forma de dizer como esses e outros foram – e são – importantes para o mundo da música. Confira abaixo:

Amy Winehouse (14 de setembro de 1983 — 23 de julho de 2011)

Muita gente (má intencionada) disse que já havia previsto a tragédia. Depois de tantas idas e vindas, no palco e na clínica, Amy Winehouse nos deixou – não sem antes passar por terras brasileiras. Aos 27 anos, evitemos as comparações com os outros, a diva morreu. Os motivos ainda não foram totalmente esclarecidos, mas trabalha-se com a hipótese de intoxicação e abstinência de álcool.


Gary Moore
 (4 de abril de 1952 – 6 de fevereiro de 2011)

Irlandês, Gary Moore gostava mesmo era de música norte-americana. Começou a tocar guitarra aos 16 anos e, ao longo da vida, desenvolveu técnicas mais rápidas, que destoavam da simplicidade e ginga do blues. Dividiu palco com mestres como BB King, Albert King e vários outros. Foi encontrado morto, vítima de parada cardíaca, em um quarto na Espanha.

Gil Scott Heron (1 de abril de 1949 – 27 de maio de 2011)

Seu feito mais conhecido talvez seja o poema-canção ‘The revolution will not be televised’ (‘A revolução não será televisionada’, em português), mas Gil Scott Heron é mais. Nascido em Chicago, ele foi escritor, músico, poeta, artista completo. Entre as décadas de 1960 e 1970, compôs letras contestadoras, com críticas pertinentes ao consumismo norte-americano e a alienação midiática. Morreu aos 62 anos, vítima de pneumonia, agravada pelo vírus do HIV.

Heavy D (24 de maio de 1967 – 8 de novembro de 2011)

Heavy D estava inconsciente em uma calçada de Los Angeles quando foi encontrado por um pedestre. Quando o resgate chegou, o rapper estava consciente, conversando com os médicos, mas não sobreviveu ao chegar ao hospital. A causa da morte do músico nascido na Jamaica ainda está sendo investigada. Nos últimos anos, ele fez participações no cinema (‘Hitch’, com Will Smith), além de pontas em seriados como ‘Bones’ e ‘Law & Order’. No dia 12 de outubro, Heavy D fez a sua única apresentação ao vivo dos últimos 15 anos, no ‘BET Hip Hop Awards’. Assista abaixo.

Lacraia (30 de novembro de 1976 – 10 de maio de 2011)

Vai, Lacraia, vai, Lacraia. O nome Marco Aurélio da Silva Rosa talvez não seja dos mais lembrados. Mas os passos da eguinha pocotó, esses não há quem desconheça. Acompanhando MC Serginho, a dançarina quebrou tabus e ficou famosa pelas performances nos bailes funk do Rio de Janeiro. Aos 34 anos, Marco Aurélio foi internado em um hospital da cidade, onde morreu devido a uma pneumonia.

Mikey Welsh (20 de abril de 1971 – 8 de outubro de 2011)

No dia 26 de setembro, o ex-baixista do Weezer, Michael Welsh, fez uma estranha previsão em seu Twitter: como havia sonhado que morreria dali uns dias, enquanto dormia em um hotel de Chicago, iria preparar o seu testamento. Coincidência ou não, o fato é que o músico foi encontrado morto em um quarto de hotel duas semanas depois – em Chicago, como havia anunciado. É dele o baixo gravado no CD “Weezer”, de 2011. Assista abaixo.

Redson (15 de julho de 1962 – 28 de setembro de 2011)

A morte do vocalista de um dos grupos mais importantes da cena punk foi informada pelo baixista da banda, Val Pinheiro, em mensagem no Orkut. “Lamento informar a todos os nossos amigos, fãs e família que o nosso principal membro da banda Cólera, Redson, faleceu hoje, deixando um legado incalculável em nossas vidas”, disse Pinheiro no post. A banda Cólera foi criada em 1979 pelo vocalista junto com o seu irmão, e é considerada uma das precursoras do punk em São Paulo e no Brasil. Edson Pozzi, com o músico se chamava, morreu aos 59 anos de parada cardiorrespiratória.

Cesária Évora (27 de agosto de 1941 – 17 de dezembro de 2011)

Cabo-verdiana, a cantora Césaria Évora saiu da África para o mundo. “De pés descalços”, como a definiam, ela foi uma das grandes intérpretes da ‘morna’, gênero africano, romântico, profundamente influenciado pelo fado português. Em 2004, Cesária conquistou um Grammy na categoria de melhor álbum de ‘world music’ contemporânea.

Michael Burston (Würzel) (23 de outubro de 1949 – 9 de julho de 2011)

Para quem é afeiçoado ao metal, Michael Burston é Würzel, o idolatrado guitarrista da banda de metal britânica Motorhead. O músico, que foi do exército, saiu oficialmente do conjunto em 1995 e lançou dois discos solos, “Bess” e “Chill Out Or Die (The Ambient Album)”. Morreu, aos 61 anos, em decorrência de uma doença cardíaca.

Lula Côrtes (09 de Maio de 1949 – 26 de março de 2011)

Luiz Augusto Martins Côrtes, conhecido como Lula Côrtes, era do rock, e do nordeste. Pernambucano, foi um pouco de tudo: cantor, poeta, pintor, multiartista. Como músico, lançou álbuns a partir da década de 1970, e descobriu como fundir os ritmos de sua terra com o rock n’ roll que se espalhava pelo Brasil. Uma de suas maiores criações, e das mais raras também, é o disco duplo “Paêbirú: O Caminho da Montanha do Sol”, lançado em parceria com Zé Ramalho, em 1975. Lula Côrtes morreu devido a um câncer de garganta, aos 61 anos.

O blues
– Pinetop Perkins (7 de julho de 1913 – 21 de março de 2011)
– David Honeyboy Edwards (28 de junho de 1915 – 29 de agosto de 2011)
– Hubert Sumlin (16 de novembro de 1931 – 5 de dezembro de 2011)

Não é que o blues tenha morrido de vez, mas, como negar?, foi um ano cheio de grandes perdas para o gênero afro-americano. Uma das últimas lendas vivas do blues do delta do Mississippi, Pinetop Perkins, fazia o diabo no piano. Morreu, aos 97 anos. Outra lenda que continuava viva, David Honeyboy Edwards, era outro remanescente do delta, camarada de Robert Johnson e um gênio do acoustic blues. Por fim, em dezembro, Hubert Sumlin, guitarrista cultuado por estrelas como Keith Ricards e Jimi Hendrix, se foi aos 80 anos de idade. Na foto, Perkins, Honeyboy e Sumlin, respectivamente.

 

Anúncios